We use cookies to ensure that we give you the best experience on our website. If you continue to use this website, we will assume that you agree to the use of cookies.

A terceira noite

Written by: Hans Christian Andersen

Numa estreita rua perto daqui, tão estreita que eu só posso deixar meus raios deslizarem pela parede das casas, eu vejo o suficiente para conhecer o mundo que se move ao redor desse lugar. Eu vejo e me lembro... há dezesseis anos, ela era uma criança, ela brincava com uma bola no jardim da casa paroquial. Os jacarandás que lá estavam, eram muito antigos. Eles duram anos e florescem e lutam para se manterem majestosos entre as árvores. Havia também macieiras.
Os galhos das árvores disputavam bravamente no corredor um lugar para se manterem em pé e receberem a luz do sol. As rosas estavam esparramadas aqui e acolá. Elas não eram bonitas como a rainha das flores deveria ser. Mas as cores
estavam lá, os cheiros estavam lá. A filhinha do pastor encontrou uma rosa muito mais bonita. Ela se sentou em seu banquinho junto à cerca viva e beijou a boneca de papelão, feita por um artista. Dez anos depois, eu a vi novamente. Eu a vi no magnífico salão de baile, ela era a linda noiva de um rico comerciante.
Fiquei feliz com a felicidade dela. Então em minhas visitas a essa cidade procurei-a pelas noites tranquilas. Oh, ninguém pensa no meu olhar claro, no meu olhar seguro, na minha rosa que, naquele momento também brilhava como os meus raios. A vida também tem suas tragédias, esta noite eu vi o último ato. Na rua estreita, mortalmente doente, ela se deitava na cama. Nesse momento seu marido entra puxa o cobertor que a protegia do frio e disse: "Levante-se!"; “Estou com pressa, você precisa estar pronta para ficar à janela de frente para a rua.!” Ela somente pode dizer: "A morte está no meu peito!" "Oh, deixe-me descansar!”
Mas ele tirou da cama, pintou suas bochechas, colocou uma rosa em seus cabelos e sentou perto da janela. Deixou uma luz acesa por perto e foi-se. Eu somente podia acompanhar toda aquela cena. Ela sentiu-se oprimida, sem força. Sua mão caiu ao lado, uma das abas da janela abriu com o vento, mas ela ficou parada, a cortina ondulou como uma chama sobre ela, ela estava morta. Da janela aberta podia-se aprender uma lição sobre a minha rosa do jardim da casa paroquial.

© Todos os direitos reservados a H.C Andersen Institutte ®

contato@andersen.com