We use cookies to ensure that we give you the best experience on our website. If you continue to use this website, we will assume that you agree to the use of cookies.

A quarta noite

Written by: Hans Christian Andersen

Essa noite eu passei por um vilarejo, onde um palco estava montado para encenar uma peça alemã. O vilarejo era muito pobre e não havia um teatro. Assim, o palco foi montado dentro de um estábulo, adaptado para a ocasião. Apesar disso, todo o cuidado foi tomado para fazer do ambiente algo agradável. As paredes foram revestidas com papel de seda e pequenos camarotes foram montados. Um pequeno candelabro de ferro pendia do teto, sob um barril invertido. O candelabro seria fixado ali logo após a sineta que avisa sobre o início do espetáculo ter soado 3 vezes, como acontece nos grandes teatros. O importante era deixar sobre a plateias um pequeno foco de luz.
Ouve–se o som da sineta: dlin, dlin, dlin, no mesmo instante o candelabro foi erguido , protegido pelo barril, causando o efeito esperado, um foco tenue iluminava a platéia. A peça ia começar.
Muito eram os espectadores, entre eles um rico fazendeiro e sua jovem esposa. Eles estavam de passagem. Havia porém um espaço vazio à volta do candelabro. Escorria dele um sebo e gotejava sem parar: plin, plin, plin!
Eu a tudo presenciava porque as aberturas no teto foram todas escancaradas devido ao calor muito forte. Eu, a tudo apreciava, de camarote. Do lado de fora outra plateia se acotovelava, se empurrava par aver o que acontecia lá dentro. Eram criados e criadas. Mas um guarda tentava dificultar a curiosidade daquelas pessoas ameaçando–as com um pedaço de pau.
Bem perto da orquestra, o casal de proprietários estava sentado em duas cadeiras com braços, velhas . Esses lugares eram reservados ao prefeito e sua espeosa durante o culto dominical. Porém, naquele dia, tudo foi diferente e eles tiveram que procurar outros assentos, perto dos cidadãos comuns, sobre pranchas de madeira colocadas no chão. Dessa forma, a mulher do prefeito aprendeu uma lição sobre distinção de classe social. Para o público aquela situação constrangedora, veio acrescentar mais brilho ao espetáculo.
De repente, o facho de luz que vinha do candelabro parou de mover, o público batia com os dedos nas cadeiras. Eu, a lua, lá de cima, pude então assistir ao espetáculo por completo.

© Todos os direitos reservados a H.C Andersen Institutte ®

contato@andersen.com