We use cookies to ensure that we give you the best experience on our website. If you continue to use this website, we will assume that you agree to the use of cookies.

A Rainha da Neve - Parte 01

Written by: Hans Christian Andersen

A rainha da neve
Antes de começarmos com a história, vale lembrar que ela se divide em 7 histórias. Há um núcleo central dentro do qual todas as outras giram e um tema central. O leitor pode ler de uma só vez, ou quebrar suas leituras seguindo o fluxo da narrativa, sem prejuízo da leitura.

Então vamos lá.
Primeira história
Esperamos que ao término da história, vocês saibam muito mais do que estão sabendo agora. Ele era muito mal. Pior do que todas as personagens más sobre as quais vocês já ouviram falar. Ele era o tinhoso. Já ouviram falar dele? Pois bem, em um dia que seu humor estava muito bom, ele fabricou um espelho com estranhos poderes: tudo que era bom e belo sendo refletido no espelho ficava tão pequeno que mal podia se reconhecer; em compensação, tudo que era feio e mau ficava ainda pior. A natureza bela se contorcia e transformava-se em um prato de legume malcozido, as pessoas boas ficavam horrorosas com aspecto repugnante, os amigos e parentes não conseguiam reconhece-las. Se elas tinham uma sarda, ela escorria pela boca e paravam na ponta do nariz ou tomavam todo o nariz. Tudo isso para o tinhoso era muito divertido. Ele ria muito e alimentava seu bom humor. Um pensamento bondoso ficava tão distorcido se refletido no espelho que o tinhoso vibrava de tanta felicidade. Para ele sua descoberta não poderia ter sido melhor! O tinhoso tinha uma escola para os de sua raça, sabiam? E todos que frequentavam sua escola saiam de lá dizendo que acontecera um milagre! Com a ajuda do espelho, o mundo e os homens não conseguiam esconder seu lado ruim. Somente agora poderíamos reconhecer o verdadeiro caráter, ou a falta dele, do mundo. A missão dos aprendizes era correr o mundo com o espelho. Assim, o mundo e os homens foram deformados pelas imagens reveladas no espelho. Tão confiantes na invenção quiseram voar até o céu para zombar dos anjos e de Nosso Senhor. Quanto mais alto voavam, mais sorrisos malignos eram revelados. Estavam ficando sem forças para segurarem o espelho de tanto que riam. Eles iam subindo, subindo ficando cada vez mais próximos dos Anjos e de Deus. O espelho começou a tremer muito porque as risadas deles eram refletidas por ele. De repente, eles não mais conseguem segurar o espelho e ele cai. Foi parar na terra onde se partiu em milhões, bilhões, trilhões de pedacinhos causando desgraças ainda maiores que antes. Alguns eram tão pequenos que pareciam grãos de areia e saíram voando pelo mundo. Assim que um grãozinho desses tocasse os olhos de alguém, por exemplo, permanecendo lá, a pessoa imediatamente começava ver tudo feio, distorcido e em tudo encontrava defeito. Cada minúsculo grãozinho conservava a magia do espelho inteiro. Alguns desses grãos foram parar nos corações das pessoas e elas endureceram seus corações como se fossem pedras de gelo. Outros pedaços maiores foram usados como vidros nas janelas. Através delas, não era bom ver os amigos. Outros usaram esses pedaços para fazer óculos e enxergarem melhor. O que vocês acham que acontecia com essas pessoas? Sempre o que era mau sobressaia ao bom. Pedacinhos desse espelho continuaram a voar pelo espaço.

© Todos os direitos reservados a H.C Andersen Institutte ®

© Todos os direitos reservados a H.C Andersen Institutte ®